comida para idoso diabético

Recomendações Alimentares para o Idoso Diabético.

em Nutrição por

O idoso diabético está sujeito às mesmas complicações que pacientes de outras idades. De uma maneira geral, as recomendações para tratamento são as mesmas.

As principais complicações são no idoso diabético são: obesidade, dislipidemia, cardiopatias, nefropatia, retinopatia e neuropatias.

E as recomendações são: estilo de vida saudável, com alimentação equilibrada e prática regular de atividades físicas.

Veja os cuidados que diabéticos com neuropatias periférica ou autonômica devem tomar ao se exercitar.

Mas existem algumas diferenças: o idoso diabético tem mais chances de sofrer complicações cardíacas e vasculares. A idade é um agravante, está mais sujeito a ser poli medicado, a ter dificuldade de locomoção, problemas cognitivos, dores crônicas, incontinência urinária, quedas e fraturas. Tudo isso demanda cuidados diferenciados.

O Diabetes Mellitus é uma doença metabólica caracterizada por uma desordem que causa hiperglicemia crônica decorrente de defeitos na secreção e/ou ação da insulina resultando em resistência a insulina.

Os tipos de diabetes mais frequentes são o diabetes tipo 1, anteriormente conhecido como diabetes juvenil. Compreende cerca de 10% do total de casos. O diabetes tipo 2, anteriormente conhecido como diabetes do adulto, que compreende cerca de 90% do total de casos. Outro tipo de diabetes encontrado com maior frequência e cuja etiologia ainda não está esclarecida é o diabetes gestacional. Em geral, é um estágio pré-clínico de diabetes, detectado no rastreamento pré-natal.

No idoso diabético, a forma clínica mais frequente é o tipo 2.

O termo tipo 2 é usado para designar uma deficiência relativa de insulina. As pessoas afetadas apresentam tipicamente hiperglicemia (maior quantidade de açúcar no sangue) sem tendência habitual a cetoacidose (excesso de cetonas no sangue provenientes do metabolismo da gordura, causando acidez) que algumas vezes ocorre devido à presença de infecções ou de outras comorbidades.

Nos adultos mais velhos, a forma mais frequente de apresentação do DM é um achado casual devido a uma doença intercorrente (habitualmente infecções). Também é comum receber o diagnóstico de diabetes após uma manifestação de complicação típica da doença a longo prazo. Pode ser doença cerebrovascular, infarto do miocárdio, arteriopatia periférica. Um exame de saúde ou um exame de glicemia não diretamente relacionado com a suspeita de diabetes às vezes aponta a presença da doença.

Alguns sintomas são:

  • aumento da sede – polidipsia,
  • aumento da micção – poliúria,
  • aumento do apetite,
  • fadiga,
  • visão turva,
  • infecções que curam lentamente,
  • impotência em homens.

O planejamento dietético para idosos diabéticos é, em geral, semelhante ao proposto para outras idades.

Inicialmente, recomenda-se dieta e exercício. Somente se isso não for suficiente, cogita-se o uso de medicação.

As recomendações nutricionais específicas devem ser adaptadas para cada individuo. O ideal é procurar um nutricionista. Mas, há normas que são amplamente aplicáveis.  

A orientação alimentar do idoso diabético segue os princípios básicos estabelecidos para o diabético sem complicações:

  • Normocalorica ou hipocalórica (redução de 250 – 500 kcal/dia) para os obesos.
  • 55% a 60% de carboidratos (10% a 15% simples).
  • 30% de gorduras (igualmente distribuídas entre saturadas, monoinsaturadas e poli-insaturadas).
  • 10% a 15% de proteínas (0,8 a 1 g/kg/peso, dependendo da função renal).
  • 300 mg/dia de colesterol.
  • 14 g de fibras/1.000 kcal.
  • Suplementação de cálcio , vitamina D , ferro, complexo B etc., quando indicados.
  • Em idosos com hipertensão arterial, deve-se limitar a ingestão de sal a 6 g.
  • Aqueles com hipercolesterolemia (colesterol alto): a distribuição de ácidos graxos deve ser < 7% de ácidos graxos saturados; mais de 10% de poli-insaturadas e mais de 10% de monoinsaturadas.
  • O uso do índice glicêmico e carga glicêmica pode trazer benefícios adicionais (Dieta com Carga glicêmica mais baixa diminui os níveis de glicose durante o dia).
  • Bebidas alcoólicas, quando permitidas pelo medico, devem ser restritas a um drinque para mulheres e, no máximo, dois para o homem.

Exemplo de um cardápio de um dia:

Café da manhã  
ALIMENTO QUANTIDADE CARBOIDRATO IG e CG
Mamão papaya 120 g 17 g 59 e 10
Farelo de aveia 20 g (1 c. sopa) 10 g 55 e 3
Ovo 100 g (2 unidades) 0,6 g 0
Queijo minas 30 g 0,9 g 0
Almoço  
ALIMENTO QUANTIDADE CARBOIDRATO IG e CG
Rúcula crúa 30 g 0,6 g 15 e 0
Tomate crú 50 g 2,5 g 15 e 0,4 g
Abobrinha refogada 50 g 2,1 g 15 e 0,3 g
Espinafre refogado 50 g 2 g 12 e 0,2 g
Inhame cozido 100 g 24 g 37 e 8
Filé de peixe 120 g 0 0
Laranja 80 g 11 g 42 e 3
Lanche da tarde
ALIMENTOS QUANTIDADE CARBOIDRATO IG E CG
Banana 120 g 24 g 52 e 12
Coalhada 200 ml 4 g 32 e 1,3
Nozes 50 g 9 g 14 e 1,3
Jantar
ALIMENTOS QUANTIDADE CARBOIDRATO IG E CG
Arroz integral 100 g 22 g 55 e 12
Lentilha 150 g 18 g 26 e 5
Filé de frango 120 g 0 0
Cenoura crúa 50 g 5 g 16 e 0,8
Brócolis 50 g 2,5 g 10 e 0,2
Kiwi 120 g 12 g 53 e 6
TOTAL: 167,2 g 63,5 (CG)

IG: índice Glicêmico

CG: Carga Glicêmica

 

Preferencialmente, nutricionistas com experiência em diabetes devem realizar esse esquema de forma individualizado.

Pode-se recomendar esquema de contagem de carboidratos em casos de pacientes com uso intensivo de insulina.

Devem ser individualizados os programas de atividade física. Na prática de exercícios físicos, deve-se levar em conta o risco de hipoglicemia, sobretudo para aqueles que usam insulina, tenham doença cardiovascular preexistente e piora das complicações crônicas.

Veja as recomendações para quem tem retinopatia diabética.

Considerações finais

A família do idoso diabético, especialmente, se ele for funcionalmente dependente, deve ser instruída sobre as medidas de tratamento, a forma de supervisioná-lo e os sinais e sintomas de alarme, em particular os relativos à hipoglicemia e desidratação. Peça para o médico e o nutricionista explicar detalhadamente estas orientações.

 

9 Comments

  1. bom dia, apos outro avc, a glicemia da minha mãe disparou,e ela nunca tomou insulina, e hoje é o que mas se aplica nela e a glicemia já amanhece alta, mesmo tendo tomado toda a medicação na noite anterior. Mas com a dieta Isosouce, pode contribui para esse aumento?

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*