idoso com alta reserva cognitiva

Você conhece o conceito de Reserva Cognitiva?

em Sem categoria por

Frequentemente, ouvimos falar que pessoas com alta Reserva Cognitiva apresentam uma condição maior para enfrentar os processos de degeneração cerebral. Até que ponto isso é de fato real e como podemos esclarecer esse assunto?

Embora ainda não formalizado, esse conceito de Reserva Cognitiva tem sido cada vez mais estudado. Tem contribuído para os cuidados com as pessoas em processo de envelhecimento e demências.

Reserva Cognitiva ainda é uma hipótese. É a idéia de que pessoas com elevado grau de escolaridade e elevadas exigências intelectuais no trabalho (trabalhos que exijam atenção, estudos frequentes e atualizações constantes) apresentem melhores condições de “proteger” o cérebro no processo de envelhecimento. Evitando assim processos demenciais, especialmente a Doença de Alzheimer.

Os estudos e as observações clínicas têm apontado que, mesmo com as evidências dos processos de degeneração cerebral, vistos através de exames por imagem, as pessoas com grande Reserva Cognitiva ainda se mantém ativas e funcionais por mais tempo. Diferente das pessoas que não apresentam esse histórico do desenvolvimento da Reserva Cognitiva. Importante destacar que a Reserva Cognitiva é construída ao longo da vida. Esse processo é gradativo, de acordo com as experiências de cada um e se inicia desde a infância.

Dessa forma, a Reserva Cognitiva pode ser pensada como um moderador. Algo que anemiza e suaviza os resultados clínicos das alterações cerebrais. Mas não evita ou previne o desenvolvimento de uma doença neuro-degenerativa. Sendo assim, como cada pessoa constrói a sua reserva cognitiva durante toda a sua vida e que experiências como educação e ocupação são partes importantes da reserva cognitiva, é possível afirmar e prever aquelas pessoas que tenham muita ou pouca reserva. Porém, o mais importante não é medir a quantidade da reserva. É importante compreender que a reserva começa a ser realmente utilizada no processo de moderar os resultados clínicos de processos demenciais. Quando necessita ser acionada para superar alguns desafios. Ou seja, quando é desafiada para suavizar processos já instalados. Nessas situações a reserva torna-se um fator importante no direcionamento do percurso da doença.

Por esse motivo, alguns testes de avaliação cognitiva e mesmo testes de rastreio para a identificação de processos demenciais e declínios cognitivos leves, atribuem pontuações especificas para pessoas com um alto nível de escolaridade.

O objetivo de rever a pontuação para esses testes é manter a sensibilidade para a avaliação das funções que compõe os testes e assim garantir a identificação de processos iniciais já instalados. Algumas pessoas referem-se a queixas de funções cognitivas. Porém, muitas vezes, não há detecção nos testes, dos sintomas trazidos. Isso significa que o desempenho na avaliação aplicada foi considerado normal. Mas antes dos sintomas, ele tinha um desempenho ainda muito melhor.

Por esse motivo, conhecer a história do paciente antes das queixas trazidas no momento atual, conhecer seus hábitos e costumes, sua ocupação e interesses sociais e de lazer, contribuem para nortear as condutas e propor ações que auxiliem na moderação dos sintomas. Não podemos oferecer receitas prontas com o objetivo de descrever ações que melhoram o desempenho cognitivo das pessoas e ativam a reserva cognitiva. Por exemplo, a palavra cruzada. Nem todos se identificam com esse tipo de atividade. O que realmente faz sentido é manter o idoso ativo, favorecendo suas relações sociais. Mantendo seu engajamento em atividades que são do seu interesse. Atividades estas que resgatem suas habilidades e potencialidades. Que haja um ambiente acolhedor, colaborativo que promova os afetos e os contornos nos momentos de dificuldades e surgimento de novos desafios. Todos esses são fatores protetores que podem amenizar os avanços das demências.

Fonte:  . Yaakov Stern Professor de Neuropsicologia no Departamento de Neurologia e Psiquiatria da Universidade de Columbia (Columbia University)

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*