Medicações Tópicas para Dor

Tratamento Não Cirúrgico da OA: Medicações Tópicas

em Sem categoria por

Osteoartrite (OA), ou artrose, é uma causa importante de dor e incapacitação. A base do tratamento medicamentoso para dor são os analgésicos como o paracetamol e os anti-inflamatórios não esteroidais (AINEs). Como já discutido em outro artigo, essas medicações podem apresentar diversos efeitos adversos. Alguns deles graves, principalmente quando é necessário seu uso prolongado. Especialmente na população idosa, o uso dessas medicações é um desafio devido às frequentes comorbidades e a polifarmácia.

Como alternativa, presente na maioria dos consensos como terapia sintomática de primeira linha, temos as medicações tópicas. Entre as opções temos os anti-inflamatórios tópicos e a capsaicina.

Os anti-inflamatórios tópicos têm um efeito moderado no alívio da dor, com eficácia semelhante àquela dos AINEs orais. Porém, com um perfil de segurança muito melhor devido a menor absorção sistêmica. Existem diversas drogas e apresentações no mercado, como gel, loção e spray. Elas diferem entre si na absorção e na concentração final nos tecidos. Entre os efeitos adversos mais comuns se encontram reações cutâneas, geralmente leves. Além de melhor risco-benefício, diminui a necessidade de AINEs orais. Quando for necessária associação com medicação oral, são necessárias menores doses, reduzindo, assim, os efeitos colaterais gastrointestinais.

A capsaicina é a substância responsável pela ardência da pimenta e acredita-se que cause o mau funcionamento dos receptores de dor. Ela é comprovadamente eficaz no tratamento dos sintomas dolorosos. Costuma apresentar uma ardência no local da aplicação, mas geralmente bem tolerada. Apesar de só termos comparações indiretas com os AINEs tópicos, as evidências sugerem que ambos oferecem o mesmo nível analgésico.

Portanto, medicações tópicas oferecem uma alternativa segura e efetiva aos analgésicos orais para pessoas com poucas articulações dolorosas, especialmente em indivíduos com comorbidades, tomando múltiplas medicações ou que desejam evitar comprimidos. É fortemente recomendado em preferência às medicações orais principalmente nos idosos acima de 75 anos.

Atenção: evite a auto-medicação! Se você tem dúvidas sobre pomadas/ cremes/ géis, procure seu médico antes de começar a usar!

A Autora:

Carolina Capovilla Monferrari é Médica Reumatologista (CRM 113000) formada pela USP, com residência em Reumatologia pela UNICAMP e Pós-Graduação em Geriatria e Gerontologia pela FMJ. Atende em Jundiaí na clínica Tertulia (11 3964 5888/ 11 93090 5888, contato@clinicatertulia.com.br).

1 Comment

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*