Convulsão

em Cabeça/Geral por

Convulsão: distúrbios elétricos do Cérebro

A Convulsão é caracterizada por distúrbios elétricos cerebrais que causam perda da consciência e fortes contrações musculares involuntárias e desordenadas em todo o corpo.

Uma pessoa está em estado de convulsão quando cai no chão inconscinete (perde os sentidos e a consciência) com maior salivação que o normal apresentando ainda contrações de alguns músculos ou do corpo todo com possível perda do controle da urina e respiração ruidosa. Passada a crise o indivíduo estará confuso e desnorteado. Portanto, acompanhe-o o tempo todo até que ele volte à consciência.

Quando alguém está em crise convulsiva, devemos deitar pessoa no chão e pedir ajuda para:

  • Proteger a cabeça com as mãos, roupa ou travesseiro
  • Retirar o objetos próximos, que possam machucar a pessoa
  • Move-la apenas se estiver próximo a lugares perigosos (por exemplo escadas, máquinas, etc)
  • Terminadas as contrações, colocá-la em posição de recuperação para descansar

Não devemor tentar desenrolar a língua com a mão, imobilizá-lo ou jogar água no rosto até que se recupere totalmente.

  • Não dê nenhum tipo de líquido ou sólido até que a pessoa recupere TOTALMENTE a consciência
  • Não jogue água no rosto

IMPORTANTE: As convulsões por epilepsia tendem a durar alguns minutos, portanto, não se desespere!

9 Comments

  1. E se a crise convulsiva numa senhora de 88 anos não for de origem epiléptica? Mas de uma sequela em consequência de um AVC Previo (AVC em 2005). E se esta crise convulsiva vir acompanhada de queda de saturação e Frequência cardíaca , associada a falta de ar, pele do rosto pálida, o que se deve fazer? Sendo que a crise aconteceu quando a pessoa já estava deitada para dormir após tomar remédio de uso contínuo Sinvastatina. A sinvastatina pode ter levado à crise convulsiva. O Remédio hidantal seria indicado para este caso?

    • Oi Rosemary,
      Idealmente, você deve levar suas dúvidas para o médico que conhece a paciente e acompanha esta senhora. Segundo o seu relato, podemos dizer que: a) sim, a convulsão pode ser conseqüência do AVC. b) a queda de saturação e freqüência cardíaca pode estar associada a algum tipo de insuficiência cardíaca que causa baixo fluxo sangüíneo cerebral efetivo e pode ser a causa da convulsão. c) Não há relação com a sivastatina e a convulsão pode acontecer novamente a qualquer momento, em qualquer situação.
      Nossa sugestão é procurar um médico o mais rápido possível para que ele possa pedir os exames e fazer a investigação sobre as causas da convulsão (lembrando que não está descartada a possibilidade de massa expansiva em evolução no cérebro). Quanto mais rápido vocês tiverem o diagnóstico, maior será a efetividade do tratamento.
      Gostaríamos de ressaltar que estas são possibilidades que devem ser investigadas por um médico pessoalmente e não é um diagnóstico da situação descrita por você.
      Estamos à disposição em caso de outras dúvidas.

  2. Oi minha vó tem 89 anos teve 3 AVC, o ultimo faz 1 ano, ela esta entenada faz 1 mes por causa de esipele na perna, ela teve covulcão na terça feira, e deu novamente hj, sexta. O q poder ser? os médicos falam nada o q poder ser. Obrigado!

    • Oi Dayane,
      Seria imprudente de nossa parte dar “palpites” sobre o caso pois não conhecemos este caso pessoalmente. Só podem falar sobre as causas, os médicos que estão cuidando de sua avó. Por favor, peça para eles investigarem.

  3. Olá! Meu pai tem 87 anos e pela primeira vez , pelo que os médicos disseram, ele teve uma crise convulsiva. Já iniciamos o tratamento indicado pelo médico, porém meu pai está totalmente fora. Agressivo. Esquecido. Não dorme. Nao para de caminhar e falar nada com nada. Ele está no segundo dia destes remédios, até penso em parar… será que ele pode ter outra convulsão do por já ter tido uma vez?

    • Oi Letícia,
      Antes de tomar qualquer decisão em relação ao tratamento medicamentoso, procure o médico. Informe a ele estes efeitos colaterais que estão acontecendo com o seu pai.
      O médico pode re-avaliar as doses ou mesmo a medicação. Faz parte do trabalho do médico!
      Boa sorte.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© Copyright 2017 - Idosos.com.br - Portal de notícias para pessoas acima de 60 anos.
Ir para Topo