Idosos ficam agitados ao entardecer

Síndrome do Entardecer: o que fazer quando a pessoa com Alzheimer quer “ir para casa” estando em casa.

em Demências e Alzheimer por

A Síndrome do Sol Poente também é conhecida como Síndrome do Entardecer ou Sídrome do Crepúsculo.

Caracteriza-se, nas pessoas com doença de Alzheimer, pelo aumento dos sintomas de memória (esquecimentos), confusão, delírio, agitação e ansiedade que surgem por volta das 17hr, quando começa a escurecer.

Conheça melhor os sintomas da Doença de Alzheimer.

Uma das manifestações mais freqüentes desta sídrome é a de “querer ir para a casa”. Quando o sol começa a se por, ou seja, quando começa a entardecer, o portador da doença de Alzheimer começa a achar que a casa em que está não é a sua própria casa. Mesmo quando está em casa. Insiste que precisa ir embora para a casa.

Neste momento, é importante que o cuidador, seja ele profissional ou um familiar, tenha muita paciência. Deve mostrar ao idoso os ambientes da casa, seus objetos pessoais, o quintal com suas plantas, sinalizando que ele está sim na própria casa. Muitas vezes, o idoso se convence e se acalma. Se esta técnica não funcionar, recomenda-se a sair de casa com o idoso, de carro ou a pé. Após uma volta na rua, o paciente costuma aceitar que está em casa quando retorna.

Não é prudente discutir ou insistir com o idoso que ele está sim em sua casa. Isso pode gerar agressividade verbal ou até física em alguns casos. Além disso, outros sintomas podem piorar.

Também são bastante relatados os casos de pessoas com Alzheimer que fazem a mala, com suas roupas e alguns pertences pessoais para a mudança. Ficam o tempo todo segurando a mala e esperando que alguém venha buscá-las. Neste momento, é muito importante trancar todas as saídas da casa (portas e janelas). Há o risco de o idoso sair de casa e se perder na rua.

Neste caso, a recomendação é a mesma: não discutir, tentar mostrar através dos ambientes e objetos pessoais que está em casa. Ou dar uma volta e voltar para casa.

Não existe explicação científica para esta síndrome. Acontece em aproximandamente 20% dos pacientes com doença de Alzheimer. Na grande maioria das vezes, acomete pessoas em fase intermediária da doença e tende a desaparecer conforme a doença evolui.

Tratar estes sintomas não é fácil. Muitos cuidadores perguntam se poderiam dar a medicação da noite mais cedo, na tentativa de antecipar os efeitos. Outros perguntam se podem dar um “calmante” ao idoso perto das 17hrs. Porém, nenhuma destas condutas é recomendada, embora esta segunda opção (“calmante”) não seja descartada dependendo do nível de agitação que o idoso apresente neste momento.

Outras medidas podem ser tomadas para evitar a síndrome do Sol Poente:

  • Evitar qualquer tipo de estimulação, como receber visitas.
  • Evitar cafeína e açúcar, mantendo uma alimentação balanceada, saudável e nutritiva.
  • Limitar o tempo de cochilo durante o dia.
  • Incentivar exercícios, como uma caminhada.
  • Desenvolver atividades recreativas.

Se nada disso resolver, é importante consultar o Geriatra para que ele possa receitar medicamentos para encurtar o período da síndrome e/ou evitar que ela ocorra.

A síndrome do Por do Sol é uma das que mais aumentam o estresse do cuidador e concorre para a institucionalização do idoso.

Este texto ajudou você? Ajude outras pessoas compartilhando!

33 Comments

    • Minha mãe está passando por isso e mais uma doença que é a doença de Parkinson. Ela só não está caminhando mais. Mas estando na casa dela e querer ir embora é constante, ao entardecer e continua até por volta de 00:00. Às vezes dou um pedacinho do comprimido por orientação médica geriátrica e às vezes um chá de camomila ou melissa mas isso quando ela aceita e não cospe para fora o remédio.

      • A minha mãe tambem passa por isso. É horrivel meu Deus! Fico sem saber o que fazer.,e custa a passar,a minha está agitada gritando até agora(22;20)tomou o calmante as 19;30 para dormir,e parece que não vai fazer efeito.

  1. O tratamento de alzheimer através de eletrodos como foi feito por médicos canadenses alguns anos atras pode trazer uma esperança para cura da doença.

  2. Boa noite. Estive a ler sobre o síndrome do entardecer e enquadra-se a cem por cento no que a minha mãe apresenta. Ela sofre de demência vascular e eu sendo cuidadora há dez anos, sinto-me completamente exausta, pois de entre muitos sintomas existe esse que me deixa de rastos, sendo que quando começa a querer ir embora para casa estando em casa, fico muito nervosa sem saber o que fazer, pois isso chega a durar dias inteiros. Já pensei consultar um geriatra, mas em Leiria, cidade onde resido não existe. Agradecia ajuda se for possível.

  3. Hoje levei meu velhinho ao médico e quando disse a ele que meu velhinho fica muito agitado ao anoitecer ele me disse que era Síndrome do Entardecer. Até então eu não sabia que existia isso. Agora, pesquisando, encontrei essas explicações que foram bastante esclarecedoras. Muito obrigada.

  4. Creio que esta descrição se encaixe não somente para o Alzheimer, mas para as demências de modo geral… meu sogro não sofrem de Alzheimer e apresenta o mesmo comportamento

    • Concordo! Minha vó não tem Alzheimer, mas ela teve um AVC e desde que retornou do hospital começou a apresentar esse comportamento de demencia, não reconhece mais que está em sua casa que vive ha mais de 50 anos, diz que quer ir para a casa, mas quando perguntamos pra que casa, ela não sabe explicar qual. Graças a Deus ela não responde de forma agressiva, mas insiste nisso todos os dias, a maioria nesse horario.

  5. Mamãe vem para minha casa aos finais de semana, graças a Deus seu estado ainda é bem estavel, mas assim que chega logo pergunta quando vou leve-la de volta para sua casa.

  6. comecei hoje nesse grupo.meu esposo está com alzheimer.ainda não apresentou esse sintomas.mas não gosta de sair.muitas vezes acontece de manhã quando acorda.não sabe onde está.a tarde ou mesmo durante o dia,ele tranca toda casa.portas e janelas.parece um medo incontrolavel.com muita calma.consigo deixar um pouco aberta.mas logo ele começa novamente fechar

  7. Meu pai tem está síndrome e como é difícil contornar e convencer a ficar. Mas com jeitinho conseguimos. Vencemos a teimosia não argumentando muito. Ele fica quieto depois vai para casa, depois que minha mãe chama muitas vezes.

  8. Minha mãe tem essa característica. Diagnosticada com mal de Alzheimer a 5 anos já tem meses que pede para ir embora diariamente. Quando ela pergunta: De dia vou embora? Respondemos: Amanhã bem cedo. Se for pela manhã a pergunta, respondemos que a tarde, se for a tarde respondemos que amanhã bem cedo e assim vamos repetindo dia após dia. É muito complicado e percebemos que muito desconfortante para ela também. Muitas e muitas vezes ela pergunta se está sonhando.

    • Boa noite! Meu pai tbm acontece isso ,ele quer ir embora as vezes fica muito agitado e não reconhece minha mãe, falamos a ele que vai ter fisioterapia no dia seguinte e ele tem que ficar, ai mandamos ele é atear a roupa que ele vai , ele vai ficam do mas calmo e para de querer ir embora

    • Rosa boa noite.
      Minha mãe está fazendo igual a sua.
      Ela tem Alzheimer a 7 anos e agora está apresentando essa síndrome.
      Abraço e obrigada pro compartilhar.
      Meire Santos

  9. MInha mãe não tem Alzheimer, mas há um ano e meio teve uma isquemia cerebral, ficou impossibilitada de andar, ela esqueceu como anda, agora é cadeirante. Também sofre de confusão mental, não reconhece as pessoas, não fala coisa com coisa e só sem lembra do passado distante.
    Fica o dia todo com a gente e sempre pergunta quem somos.
    Pensa que o filho caçula é marido dela. Sofre quase que diariamente com essa síndrome do entardecer.
    É bem difícil!

  10. Tenho uma pessoa na família que foi diagnosticada recente// com Alzheimer. Ele está com 69 anos.Os comentários médicos foram um tanto assustador.Gostaria de saber mais à respeito.E não me sinto bem em relatar,o quê foi dito.

  11. Ha 10 dias minha mãe começou com esta Síndrome. Não só quer voltar para casa mas também se nega tomar medicamentos e alimentos alegando que a queremos matar, outras vezes ve pessoas, etc
    Desconcertante!
    Doloroso vê-la sofrer tanto…😪

  12. Minha mãe tem 91anos e ha 01mes começou apresentar esta síndrome. O pior é que desde então ela não dorme nem de dia nem de noite mesmo tomando remédios. Apenas cochila,uns minutos. Diz que não pode dormir porque pode não acordar. Estamos exaustos. Ela tem um neurologista e um geriatra, mas eles não estão conseguindo nos ajudar. Alguém pode me orientar?

    • Lucia estou passando o mesmo com minha mãe
      …conseguimostra uma psiquiatra que veio em minha casa e receitou um medicamento que tem ajudado muito …chama se Resperidona. Caso não seja este que sua mãe toma consulte o médico. ..Quem sabe pode ser administrado né. Deus abençoe vocês

  13. Minha mãe sofre com essa síndrome , o que fazemos é quando anoitece ou quando ela quer voltar pra casa, saímos de casa vamos ao mercado ou ao shopping ficamos andando nesses lugares muitas vezes sem comprar nada e voltamos para casa. Na maioria das vezes funciona !!! Quanto ao fato de não dormir , o geriatra receitou Resperidona, mas fomos ler a bula e os efeitos colaterais são muitos e resolvemos não dar. Optamos por fazer toda noite chá de camomila com erva cidreira . Ela toma e se acalma e dorme bem e por tabela eu e minha irmã também !!!

  14. Olá! Cuido da minha avó que tem 89 anosce foi diagnosticada com Alzheimer ha 4 anos. Me identifico com todos os casos citados e claro, também enfrento a questão da insistência dela em ir para casa, quando jà está nela. Porém, descobri uma maneira de contornar com suavidade a situação. Sempre digo a ela que “hoje” ela vai ficar comigo, pois preciso da companhia dela para não ficar sozinha. Ela fica preocupada em avisar em casa que vai dormir fora. Eu confirmo que ja avisei. Ela se convence todas as vezes e sempre consigo trocar o foco do assunto quando peço a ajuda dela. Faço desta forma e acredito dar certo, por que cinheço bem a personalidade dela, as suas preocupações de uma vida inteira e a sua história. No cado dela, cuidar das pessoas que ama sempre foi prioridade, então não se nega a ” não ir para casa” pelo menos naquela noite…e assim fazemos todos os dias com muita paciência, amor e empatia. Com certeza não é fácil para os familiares, mas na medida do possível, acrescentamos muito humor no nosso dia-a-dia e até a minha vó ri das suas próprias confusões. Quando ela diz que quer ir para casa, pergunto onde fica a casa dela…e quase sempre ela não sabe responder…ai entra a brincadeira…eu digo que só vou deixar ela sair quando souber….rsrsrs…rimos muito e ela troca o foco do assunto. Alzheimer é uma doença única, mas os doentes também são…cada um é um…e conhecer a sua essência ajuda muito no trato. Obrigada pir compartilharem suas experiências…

  15. Olá estou cuidado de minha vó que parece está com essa doença é muito difícil não sei ou que fazer ela troca os nomes das pessoas não dormir a noite é fala muito palavrão e MT agitada passei ela no e pisquiatra ele passou ou remédio quentros de 25mg .
    Eu pesquisado TDS os sitonas do alzhaimer ela tem na fase 3

    Alguém mim onriete pf

  16. Olá,
    A minha mãe tem alzheimer e o que mais me intriga é a tal síndrome do entardecer,que acontece às vezes o dia inteiro,ela quer ir para casa,sendo que já está nela e isso deixa nós os filhos sem saber o que responder,lendo alguns comentários aqui,eu fiz igual a uma filha que sempre que a sua mãe faz esse pedido,leva ela para passear no shopping ou em outro lugar e depois a leva para casa,ela aceita e fica mas calma.De longe,essa é a síndrome mas difícil dessa doença,fico triste porque ela diz que não ligamos mais pra ela e todos os dias temos que nos adaptarmos aos novos problemas que vão surgindo,eu apelidei essa síndrome,de Síndrome do Enlouquecer.Fico pesquisando na internet por novos tratamentos e com a esperança que a cura para esse mal esteja próximo.

  17. Bom dia!
    Minha está passando por essa Síndrome, é muito angustiante vê-la dizer insistentemente que quer ir embora pra casa.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© Copyright 2017 - Idosos.com.br - Portal de notícias para pessoas acima de 60 anos.
Ir para Topo