Idoso com dor no ciático.

Nervo Ciático: explicando as dores dos glúteos aos pés

em Fisioterapia por

Dor no nervo ciático, ciático inflamado, ciatalgia, dor na coluna que desce para a perna… Provavelmente, todas essas expressões já foram ouvidas (ou sentidas na pele) por você!

A dor ciática é uma dor no trajeto do nervo de mesmo nome (ciático). Compreende a região de glúteo, região póstero-lateral de coxa, panturrilha e pé. São sintomas comuns quando há algum trauma (direto ou indireto) no nervo ciático.

O nervo ciático é um dos maiores e mais calibrosos nervos do corpo humano. Pode chegar a ter a espessura de um dedo. Ele é formado por raízes nervosas da coluna lombar e sacral (L4, L5, S1, S2 e S3). Tem topografia que se inicia nos glúteos, fazendo um trajeto descendente pela região posterior do membro inferior, por onde emite algumas ramificações importantes. É responsável pela inervação motora de quase todos os músculos do quadril e do joelho, e grande parte dos músculos que movimentam os pés. A inervação sensitiva competente ao nervo ciático corresponde a região de glúteo, região póstero-lateral de coxa, panturrilha e pé. Ou seja, os mesmos locais que referem sintomas dolorosos quando há afecção desta estrutura.

Dores no joelho também podem ser causadas por artrose.

Problemas relacionados ao nervo ciático podem ter causa direta, como compressão ou traumas diretos no nervo (como passar muito tempo em cadeiras desconfortáveis ou em desníveis, como carteiras no bolso traseiro da calça). Ou causa indireta, como lesões de coluna que afetem as raízes nervosas que compõe este grande nervo.

Os sintomas mais comuns, como já explicado anteriormente, são dores no trajeto do nervo. Formigamentos e sensação de anestesia também são muito frequentes. Em casos mais graves, pode ocorrer perda de força devido ao comprometimento dos componentes do nervo que são responsáveis pela motricidade.

Assim como todas as patologias, dores no nervo ciático devem ser avaliadas caso a caso para que se determine a causa e as características do quadro em questão. Só assim elabore-se um plano de tratamento. Medicações e fisioterapia são sempre bem indicados. Mas fique atento: muito cuidado com as orientações generalistas. Pois a causa da dor pode determinar o sucesso ou o fracasso da técnica escolhida para o tratamento.

Este texto foi útil? Compartilhe!

2 Comments

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© Copyright 2017 - Idosos.com.br - Portal de notícias para pessoas acima de 60 anos.
Ir para Topo