Idoso com parkinson se beneficia de efeitos fisiológicos da dopamina

Efeitos Fisiológicos dos exercícios para a doença de Parkinson

em Exercícios Físicos/Parkinson por

Já descrevemos os cuidados iniciais que o educador físico ou o fisioterapeuta devem tomar ao iniciar um programa de exercícios físicos para tratamento da Doença de Parkinson.

Neste artigo, descreveremos os efeitos fisiológicos que a Atividade Física Planejada propicia ao portador da doença.

 Os principais objetivos são:

  • preservar e manter as funções dos indivíduos em alto nível;
  • melhorar a função motora, incluindo a iniciação e ampliação do movimento e estabilização do tronco;
  • reduzir o tremor e a rigidez;
  • melhorar atividades de vida diária;
  • prevenir complicações secundárias, causadas pela atrofia muscular ou mudanças na postura.

Com relação aos efeitos psicológicos, está em destaque:

  • a sensação de bem estar;
  • os hormônios antidepressivos (serotonina, endorfina), naturalmente liberados pelos exercícios, podem diminuir os sintomas de depressão, doença comumente associada à parkinsonianos.

Outro declínio característico é em relação à resistência aeróbia geral, quando estimada por meio dos níveis de VO2max (volume de oxigênio). Estes valores podem apresentar um déficit de 1% a cada ano de vida. Porém, em indivíduos fisicamente ativos, este declínio pode ser menos acentuado.

O aumento da mobilidade pode, de fato, modificar a progressão da doença e impedir contraturas, além de ajudar a retardar a demência. A prática de atividade física regular leva a uma diminuição da mortalidade da doença em questão.

Portanto, além de diminuir a progressão da lentidão dos movimentos, rigidez muscular, instabilidade postural e desequilíbrio, um programa planejado pode gerar efeitos fisiológicos capazes de diminuir a vulnerabilidade da dopamina a agentes agressores.

A dopamina é neurotransmissor que facilita as conexões neurais ligadas ao controle da atividade motora relacionada à contração muscular. A Doença de Parkinson se caracteriza pela sua deficiência. O Exercício Físico pode reduzir a vulnerabilidade desses neurônios dopaminérgicos à ação da 6-hidroxidopamina, uma neurotoxina que pode seletivamente destruí-los.

Essa proteção seria devida, em parte, ao aumento da disponibilidade do GDNF, fator neurotrófico derivado das células da glia. As células glia fazem parte do Sistema Nervoso e possuem a função de suporte ao Sistema Nervoso Central, estimulando certas cascatas de sinais que participam da proteção celular.

Na próxima semana apontaremos os exercícios mais adequados para o portador da Doença de Parkinson.

1 Comment

  1. Eu tenho uma paciente de parkinson hereditario,trabalho com ela tudo que e para o melhor em sua limitações.flexibilidade,equilíbrio,exercícios livre resistido circuito etc…..

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© Copyright 2017 - Idosos.com.br - Portal de notícias para pessoas acima de 60 anos.
Ir para Topo