Idoso com fratura de colles

Fratura de Colles: a fratura mais comum em idosos

em Fisioterapia por

Um dos tipos mais comuns de fratura é a da extremidade distal do rádio, com deslocamento posterior do fragmento ósseo. Estamos falando da região do punho – local em que os ossos do braço se encontram com a mão.

Essa fratura também é conhecida como fratura de Colles.

A fratura de Colles possui alta incidência especialmente em idosos devido ao seu mecanismo de lesão. Normalmente, quem fratura o punho, sofre uma queda com mão espalmada no chão.

Veja algumas dicas de como evitar quedas dentro de casa.

Dentre as fraturas em idosos, essa é a mais frequente. Corresponde até 45% do total das ocorrências. Em relação entre os sexos, é predominante no sexo feminino devido a associação com osteopenia e osteoporose.

Entenda quais são os melhores exercícios físicos para quem tem osteoporose.

A fratura de Colles leva o nome do cirurgião que a descreveu em 1814 (Abraham Colles). Causa uma deformidade conhecida como braço em dorso de garfo (veja a ilustração abaixo), causada pelo desvio do fragmento ósseo. O tratamento se inicia com a redução (reposicionamento do fragmento em relação ao osso), que pode ser feita de maneira conservadora ou cirúrgica, se necessário. Após essa etapa, a imobilização permanece por cerca de seis a oito semanas, de acordo com a evolução da consolidação óssea. Nesse período, podem ser orientados exercícios de mobilidade de dedos e ombro. Mas o fortalecimento e trabalho de amplitude de movimento de punho se iniciam após a retirada da imobilização. Normalmente, estão associados ao quadro edema e dor. Por isso técnicas analgésicas são fundamentais.

Fratura de Colles em Idosos
Fratura de Colles

Após a retirada da imobilização, a alteração que mais traz complicações ao paciente é a diminuição da amplitude de movimento, pois impede que o idoso realize suas tarefas do dia-a- dia. Portanto, grande parte da reabilitação é focada em reestabelecer essa amplitude, evitando assim esforços secundários de articulações adjacentes, como cotovelo e ombro, o que eventualmente poderia ocasionar em sobrecarga e lesões futuras. O tratamento com Fisioterapia tem importância vital na recuperação dos movimentos.

Este texto foi útil? Compartilhe!

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© Copyright 2017 - Idosos.com.br - Portal de notícias para pessoas acima de 60 anos.
Ir para Topo