Alimentação saudável para idosos

Dieta do Mediterrâneo: alimentação de perfil anti-inflamatório

em Nutrição por

Como abordamos no nosso ultimo post, uma dieta sem elementos agressivos ao nosso organismo diminui o estado inflamatório do nosso sistema.

Um exemplo de dieta com perfil anti-inflamatório é a dieta do Mediterrâneo.

Primeiramente, vamos ressaltar que o conceito de dieta é “todo alimento que integra o universo alimentar do indivíduo”. Não estamos falando de regime. Regime é a adoção de uma alimentação diferente da sua alimentação padrão por um curto período de tempo.

Hoje, a Nutrição de qualidade não trabalha mais com a idéia de regime. Sabemos que restrições alimentares num curto período de tempo são sustentáveis. Reeducação do hábito alimentar e da maneira como o individuo de relaciona com todos os aspectos da sua alimentação é chave para que as modificações sejam sustentáveis ao longo da vida. Logo, a dieta do Mediterraneo é uma referência alimentar. Pode servir como base para nossas escolhas diárias com relação a grupos alimentares e preparações. A dieta do Mediterrâneo nos ajuda a olhar como nossa alimentação pode ser tão rica e diversificada quanto se possa se abrir para novas possibilidades de alimentos.

A dieta do Mediterrâneo tem sua própria Pirâmide Alimentar, de forma a ilustrar claramente os atributos dessa alimentação. Note que, qualquer que seja a dieta, ela deve atender às necessidades nutricionais do individuo e às recomendações diárias de macro e micronutrientes. Estudos a relacionam com menor perda de massa cerebral na velhice, melhor cognição, saúde cardiovascular, proteção contra cânceres  e à longevidade.

Dieta do mediterrâneo traz benefícios para idosos
Pirâmide Alimentar da Dieta do Mediterrâneo.

Interessante notar que a dieta Mediterrânea não trata apenas de alimentos. Trata do estilo de vida associado, ao colocar atividade física, descanso apropriado e convivência como base da Piramide. Isso demostra uma visão integrada do ser humano e de suas necessidades para bem estar e qualidade de vida.

A dieta prevê:

  1. Consumo de pouca carne e muitos vegetais;
  2. Menos grãos e derivados refinados, e mais alimentos com baixo índice glicêmico (cereais integrais);
  3. Uso de gorduras “boas” (azeite de oliva, peixes, frutas secas oleaginosas, tais como nozes, amêndoas, avelãs…);
  4. Uso de especiarias e ervas, ao invés do sal;
  5. Dar preferência a pequenas e simples refeições ao longo do dia;
  6. Variedade de alimentos durante a semana;
  7. Pelo menos um litro e meio de água todos os dias. Beber frequentemente, e em pequenas quantidades. Evitar refrigerantes e bebidas doces;
  8. Consumo de doces com moderação (duas vezes por semana).

Não se preocupe em querer modificar totalmente sua dieta de um dia para o outro. Isso gera ansiedade e não é a melhor abordagem. Escolha um item para ser incorporado na sua rotina. Apenas um. E mantenha-o por 15 a 20 dias para, depois, incorporar outros itens da lista. Inicialmente, preocupe-se apenas em acrescentar itens à sua dieta e não retirar itens. Uma vez que proporcionamos ao corpo o que ele precisa, ele se reestrutura em boas bases e as escolhas nocivas vão naturalmente saindo do nosso cardápio diário.

Gostou do nosso texto de hoje? Compartilhe!

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© Copyright 2017 - Idosos.com.br - Portal de notícias para pessoas acima de 60 anos.
Ir para Topo