Esôfago do idoso

Envelhecimento do Sistema Digestório: Esôfago.

em Nutrição/Saúde por

Sabemos que o envelhecimento implica em várias alterações fisiológicas em nosso organismo. Mas a ciência ainda não conseguiu determinar os limites entre o envelhecimento “normal” e o patológico. Algumas diferenças já foram identificadas no cérebro, na boca e dentes, etc.

Hoje, vamos abordar o envelhecimento do Sistema Digestivo ou Digestório que é composto por uma série de órgãos associados cuja função é processar os alimentos, por meios mecânicos e químicos.

Fazem parte do sistema: boca, faringe, esôfago, estômago, intestino (delgado e grosso), reto e ânus. Fígado, pâncreas e visícula biliar são considerados órgãos acessórios no processo digestivo. Mas isso não os faz menos importantes no processo.

Em artigo anterior, já falamos sobre o envelhecimento da boca, dentes e glândulas salivares. Também já abordamos questões sobre o estômago e intestino. Por isso, hoje abordaremos de maneira simplificada o que se sabe sobre o envelhecimento do esôfago.

O primeiro estudo sobre o envelhecimento do esôfago é de 1964. Desde então, muitos estudos têm demonstrado:

  • diminuição da pressão de repouso (quando não houve deglutição).
  • alterações da sincronia e magnitude do relaxamento do esfíncter superior do esôfago (pode causar disfagia alta pois este esfíncter fica próximo da faringe).
  • aumento da incidência de contrações não peristálticas (síncronas e falhas).
  • manutenção da pressão de repouso do esfíncter inferior do esôfago (perto do estômago).

Não há evidências de aumento de problemas de refluxo gástrico com o avanço da idade. Porém, quando eles ocorreram, duram mais tempo em idosos que em adultos mais jovens. As alterações da motilidade esofágica (relacionada às contrações peristálticas) podem reduzir a saída de materiais deglutidos ou refluídos do estômago.

Deste fato vem a necessidade de se administrar medicamentos por via oral na posição ortostática. Isto é, em pé ou sentado com a coluna reta e bem apoiada. Também recomenda-se acompanhar os medicamentos de razoável quantidade de líquido. Já que tudo o que é engolido tende a levar mais tempo para chegar ao estômago, tomar remédios na posição ereta acompanhados de líquidos ajudam a garantir que o medicamento chegue ao estômago no tempo esperado.

Além disso, materiais ácidos refluídos do estômago permanecem por mais tempo em contato com a mucosa esofágica. Isto causa maior potencial de lesão podendo até contribuir para outros problemas como pneumonias aspirativas.

Oportunamente, falaremos sobre outros órgãos.

3 Comments

  1. Adorei sobre as informacoes passada no site sobre Alzheimer. Gostaria de mais informacoes sobre esta doenca pois eu nao estou sabendo lidar com os comportamento da minha sogra

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© Copyright 2017 - Idosos.com.br - Portal de notícias para pessoas acima de 60 anos.
Ir para Topo