estudo sobre alzheimer precoce.

Pesquisa sobre Alzheimer: Estudo sobre a Proteína Tau

em Demências e Alzheimer por

Estudo pioneiro na região de Medellín, na Colômbia, traz novos rumos às pesquisas de medicamentos para a Doença de Alzheimer (DA).

Segundo a revista Nature, jornal internacional de ciências, o estudo está em curso nesta região por causa da prevalência de casos precoces de Alzheimer.

Cientistas têm acompanhado, há mais de 30 anos, uma mutação genética responsável pelo desenvolvimento de Alzheimer precoce. Esta mutação é muito comum na região de Antioquia, na Colômbia. Está relacionada ao início precoce do Alzheimer, entre 40 e 50 anos de idade.

Os cientistas da Universidade de Antioquia em Medellín, ainda este ano, devem começar a escanear os cérebros dos portadores de Alzheimer precoce. Vão usar uma técnica que permite acompanhar o acúmulo da proteína Tau. Sabe-se que a proteína Tau acumula-se rapidamente nos cérebros dos portadores da Doença de Alzheimer assim que os sintomas começam a aparecer. Mas ainda não se sabe ao certo qual a relação desta proteína com a DA.

Observar a formação da proteína Tau em “tempo real” pode revelar sua verdadeira função na DA. Já foi observado que o acúmulo da proteína Tau começa a se formar até 6 anos antes dos primeiros sintomas da doença. A mutação genética responsável por isso afeta em torno de 5 mil pessoas na Antioquia. São 25 família afetadas.

Até hoje, grande parte do meio científico acredita que a DA seja desencadeada pela proteína amilóide.

A amilóide é uma proteína que se acumula do cérebro durante o envelhecimento. Mas, nos portadores de Alzheimer, este acúmulo é muito maior se comparado com pessoas que não desenvolveram a doença. No entanto, muitos medicamentos que reduzem os níveis da proteína amilóide no cérebro não conseguem evitar que os sintomas da DA apareçam. Assim, parte dos cientistas passaram a prestar mais atenção à proteína Tau.

Numa pessoa saudável, a proteína Tau ajuda a estabilizar as estruturas que permitem a comunicação entre os neurônios. Nos portadores de Alzheimer, observa-se que o acúmulo da proteína atrapalham estas estruturas. Faz com que elas colapsem em emaranhados. Já se observou que os sintomas de Alzheimer aumentam na mesma taxa em que a proteína Tau se acumula.

Fonte: Pioneering Alzheimer’s study in Colombia zeroes in on enigmatic protein

4 Comments

  1. Olá, meu nome é Chanon, meu pai foi acometido pela Degeneração Córtico Basal, a doença está em estágio avançado e ele não fala mais, perdeu toda mobilidade e está completamente dependente.
    Não existe nenhum tratamento realmente eficaz contra esse mal, eu e meus irmãos buscamos, sempre que possível, alguma nova informação ou algum novo método que esteja sendo desenvolvido, mas não há muita novidade sobre o assunto.
    Deixo meu e-mail no intuito de receber informações relacionado a CBD, e quem sabe, sobre um tratamento que traga a cura para essa doença terrível.
    Obrigado!

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© Copyright 2017 - Idosos.com.br - Portal de notícias para pessoas acima de 60 anos.
Ir para Topo