Idoso demente não consegue expressar a dor

Identificando a Dor no Portador de Alzheimer

em Demências e Alzheimer por

Dependendo do estágio da doença, pacientes com Alzheimer não conseguem expressar a dor.

Atendemos uma paciente com DA que teve  um infarto agudo do miocárdio e não sabia dizer onde estava doendo (não conseguia localizar nem expressar a dor). O diagnóstico foi feito baseado nos outros achados clínicos e através de exames complementares. No memento da dor apresentou agitação psicomotora com um desassossego importante, andando pelo ambiente e não conseguindo sentar ou descansar.

Queixa de dores ósseas e articulares são muito frequentes em pacientes com DA mais idosos.

Essas dores são consequência da osteoartrose que compromete várias articulações. Entre elas joelhos, região coxo-femural (quadril), tornozelos e principalmente a coluna como um todo são afetados. Mas a maior intensidade e frequência do problema acontece na coluna, região lombo-sacra. Nesses pacientes vamos encontrar várias articulações deformadas pela doença (Osteoartrose) que causaram a diminuição de sua funcionalidade bem como sua locomoção. Essas queixas são condizentes com as alterações articulares comprovadas pelo exame físico e até por radiografias (ou por exames de imagem).

Porém, muito comumente, encontramos pacientes que não mostram lesões articulares difusas, mas a queixa de dor é muito importante. Mas não encontramos uma correspondência entre os achados radiológicos e a intensidade das dores. Percebemos que esses pacientes se fixam nessa dor e ficam repetidamente se queixando para os familiares. Os cuidadores e pessoas mais próximas chegam ao ponto de achar que as dores realmente existem e procuram assistência médica. Muitas vezes, os anti-inflamatórios são prescritos com alívio parcial dos sintomas.

Percebemos que se uma outra dor aparece aquela da qual se reclamava constantemente desaparece e essa segunda, passa a ser o motivo constante da reclamação. Muitas vezes, os portadores de Alzheimer queixam-se de dores e apontam para um determinado local do corpo. Se depois de alguns minutos perguntarmos novamente onde era a dor ele vai perguntar se ele tinha alguma dor ou vai apontar para um local totalmente diferente da primeira. Com frequência, utilizamos placebo para alívio dos sintomas. Colocamos em um copo com água 2 a 3 gotas de adoçante e dizemos que é um remédio novo e que é ótimo para as dores. Muitas vezes em menos de um minuto as dores já melhoraram.

Nosso texto ajudou? Compartilhe!

18 Comments

  1. Adorei o artigo, muito esclarecedor. A minha mãe têm DA há 19 anos e a cerca de 3 anos é acamada. Ela já está ficando na posição fetal e temos muito cuidado, o banho é de leito e passamos sempre após o banho óleo nela (dersani), sempre fazendo mudança de decúbito e troca de fraldas com regularidade. Todos os dias colocamos ela sentada no sofá cercada com almofadas, travesseiros para apoiar, nunca teve úlcera de pressão. Ela não fala, não anda, não têm visão, teve 3 pneumonias e duas isquemias, sendo que uma delas paralisou o braço esquerdo, além de 3 infecções urinárias; têm uma prótese na perna direita pq quebrou o fêmur e devido à uma queda também fez uma cirurgia cerebral por causa de um coágulo. Mesmo com isso tudo ela está bem, graças a Deus não é diabética, hipertensa ou problema seja de estômago e/ou intestino e não faz uso de nenhum medicamento e a alimentação é através de mamadeira, pq achamos desnecessário fazer uma gastrostomia nela; e assim vamos levando o nosso dia a dia com muito amor, carinho e atenção com a nossa bebê!

  2. Muito interessante pois não tinha noção , e agora consegui assimilar as dores que ele fica dizendo que tem. Muitíssimo obrigado.

    • Meu avô esta com DA geme o tempo todo..não imaginava ficava louca aqui agora dou água e as gotas as dores amenizam..ele esta começando a parar de falar e andar.. é uma doença triste…que Deus nos abençoe..e me dê forças cuido dele sozinha..

  3. Gostei do artigo. Tirou umas dúvidas que tinha.
    Minha mãe tem 92 anos e tem esse mal.
    Ela geme direto noite e dia, diz que dói, mas quando pergunta onde dói ela diz não sei.
    Ficamos preocupados.
    Mas agora sei que faz parte dessa doença.

  4. Meu pai de 79 anos, sofreu um Avc, em dezembro de 17.
    Desde de então acelerou o Alzheimer de tal forma que ficou acamado…e tem hpn tbm.
    Ele tem mto soluço, e nenhum médico sabe dizer o motivo.
    Ele soluça e geme direto…
    Tô perdida, Pq não sei o que fazer…ele não fala mais

  5. A gente pensa que está sozinha nessas lutas da vida mas aí a gente lê um artigo desses e depois olha os comentários e de um certo modo isso nos fortalece e nos dá forças para continuar, pois não estamos sozinhos, milhares de pessoas estão nas mesmas condições que nós, é triste mas é a realidade. Temos de cuidar com muito amor e com muita qualidade de vida que for possível os nossos velhinhos.

  6. Eu e minha esposa cuidamos da minha mãe com quase 90 anos, ela está acamada precisa de cuidados o tempo todo , em alguns momentos fala bem em outros resmunga o tempo todo, não é fácil mas Deus nos paciência pra cuidar, esse post nos ajuda muita vendo pessoas que passam situações semelhantes.

  7. Minha vó tem 91 anos após uma cirurgia no fêmur não para mais de reclamar de dor o tempo todo. A cirurgia já cicatrizou e, segundo o médico a dor não é da cirurgia. Ela reclama de dor dia e noite , mas em cada hora em um lugar diferente ou simplesmente diz que não sabe. Quando foi o placebo ela diz que
    dor melhora, mas ela não para de falar e gemer nenhum minuto. Muito dificil

  8. Tenho pai e mãe com Alzheimer e meu pai reclama de dor na testa e tontura mas se chegar um parente ou amigo dele TD passa….e eu fico preocupada devido às queixas dele…… vou dar placebo daqui em diante…..e a mãe não fala não se mexe não ouve ….apenas abre e fecha os olhos e eu aprendi a decifrar seu rosto quando não está bem
    ..daí dou dipirona….. Minha prova e dupla.. tipo intensivao…. mas Deus é minha fortaleza e amo muito meus pais e farei TD pra ver eles dois bem…..abri mão da minha vida e vivo só para eles.

  9. Meu marido foi diagnosticado com DA este ano, só que tanto ele e eu já percebiamos esquecimentos frequentes, insegurança, irritabilidade, depois que fomos a neurologista este ano, ela prescreveu remédios que o deixou bem mais calmo, mais fácil de lidar com ele. Mas percebí que agora vem se queixando muito de dores no ombro, tornozelo, pés, joelho, vou tentar dar a agua com o adoçante para ver como ele vai reagir. Hoje depois desse tempo todo lutando para que ele ficasse melhor, estou me sentindo mais tranquila, forte e equilibrada para percorrer com o máximo conforto e muito amor para dividir passando grande parte dessa segurança para ele.

  10. Minha mãe tem 90 anos, quebrou o fêmur a seis anos, no ano passado identificamos alzheimer. e a doença acelerou muito rápido. Hoje ela se encontra no último estágio. Sente dores, toma dipirona e até morfina, tem salivação, não fala, não engole, colocou uma sonda gástrica,posição fetal, geme o dia inteiro. Estamos num processo paliativo, com home care para nos dar suporte. Muito difícil ver esse sofrimento. Ela está nas mãos de Deus. Só ele pode determinar e nos da forças para suportar.

  11. Realmente ese artigo é de suma importância, cuido de minha esposa sozinho, ela tem DA há 19 meses, mas não sabe, pensa que é Depressão Sentimental, era uma mulher vaidosa, vestia muito bem, cabeleireiro 2 vezes por mês, manicura todas as semanas, perfumes importados, hoje nada disto existe, não quer absolutamente nada, 100% ociosa, memória atual já foi embora, antiga, sofre alterações, dores no braço, as pernas super fracas, tenho que a ajudar a deitar e levantar, anda com dificuldade, tem acompanhamento médico, tenho momentos que me sinto perdido, rezo, peço forças, sabedoria, resignação, fé, calma, compreensão e etc, era muito agressiva, sou Espírita, hoje ela está muito bem calma, porém envelhecendo drasticamente. Mas sinceramente, estou com um pouco de receio do futuro, estou posso dizer, sozinho.
    Émuito duro ver a mulher que você ama se desintegrando assim, são 54 anos de convivência, com muito amor, carinho, dedicação, respeito, muitos anos de felicidade.
    Acredito e muito em Deus, N.Sra e os Guias Espirituais.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© Copyright 2017 - Idosos.com.br - Portal de notícias para pessoas acima de 60 anos.
Ir para Topo