Idoso pode ter impressão digital alterada.

Impressão Digital pode mudar durante o Envelhecimento

em Quotidiano por

Nos últimos tempos, bancos, academias de ginástica, planos de saúde, condomínios e outros estabelecimentos implementaram o sistema biométrico de identificação (ou seja, uso da impressão digital).

A impressão digital é única em cada pessoa no mundo.

Mas, os sistemas que as identificam podem confundir duas pessoas. Também pode não entender que uma impressão digital previamente cadastrada não pertence ao seu dono.

Além disso, nossa digital pode mudar entre o dia em que nos cadastramos até o dia em que usamos, ou precisamos usar, esse tipo de identificação.

Sim, a impressão digital pode mudar. E os motivos são os mais diversos, tais como:

  • Umidade da pele. As digitais podem não ser reconhecidas se a pessoa saiu do banho, sauna, piscina ou mexeu com água por muito tempo.
  • Produtos químicos. Detergentes, sabão, água sanitária, produtos de limpeza em geral, cimento, tintas, resinas, colas e vários outros produtos modificam as impressões digitais.
  • Sujeira. Há pessoas que insistem em usar um dedo sujo, tão sujo, que é possível ver a sujeira dentro das cavidades e poros das impressões digitais.
  • Ferimentos. Alergias e descamações na pele dos dedos tornam as impressões digitais irreconhecíveis.
  • Desgaste. A idade avançada costuma causar algum desgaste das digitais. As estatísticas demonstram  que não é regra, não é privilégio do idoso o problema com a identificação digital. A maior incidência, ainda, de problemas ocorre com pessoas que desgastam a pele dos dedos no trabalho diário: faxina, construção civil e outros ofícios que acabam lesionando a pele.

Estudo muito interessante e minucioso foi realizado pelos peritos papiloscopistas da Polícia Civil do Distrito Federal. Foi quando resolveram atacar um problema na identificação de pessoas. Queriam descobrir se as impressões digitais sobreviviam no decorrer do tempo. Nesse estudo, eles coletaram impressões digitais de 40 pessoas. Foram 20 homens e 20 mulheres, entre 60 e 72 anos que foram renovar o R.G. Compararam suas impressões digitais com as aquelas apresentadas 33 anos atrás.

Inesperadamente, 30% dos idosos não seriam encontrados se deixassem suas impressões digitais na cena do crime, uma vez que elas mudaram.

A conclusão é que as características mudam. As alterações na saúde de uma pessoa, os níveis hormonais e mesmo seu meio ambiente facilitam a alteração na formação, permanência ou não da mesma impressão digital de anos passados.

O processo de envelhecimento atinge o nível celular.

Acredita-se que esse problema já venha sendo acompanhado por quem implantou o sistema biométrico de identificação.

A nossa sugestão é comunicar, sempre, o problema. Alguns bancos já contam com um cadastro próprio para o cliente que tem problema em cadastrar a digital. Com seu nome nesse cadastro, você fica livre para operar em TODOS  caixas eletrônicos.

Por último, lembramos que, no extremo da necessidade, você pode obter um laudo de médico dermatologista, atestando o caso e ficar livre do constrangimento na hora de usar o sistema biométrico.

Ficou alguma dúvida?

Por favor, fale conosco.

 

Photo by timothy muza on Unsplash

2 Comments

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

catorze + 20 =

© Copyright 2017 - Idosos.com.br - Portal de notícias para pessoas acima de 60 anos.
Ir para Topo