imunossenescência e a terceira idade

Imunossenescência – Envelhecimento do Sistema Imunológico

em Saúde por

Já sabemos que o Envelhecimento afeta nosso corpo de maneira qualitativa e quantitativa. Diversas alterações fisiológicas acontecem. E o sistema imunológico não é uma exceção a esta regra. Assim, chamamos de Imunossenescência as alterações imunológicas observadas durante o Envelhecimento.

A Imunossenescência é marcada por uma “remodelação” do sistema imune durante o Envelhecimento.

Alguns parâmetros imunológicos aumentam, alguns ficam estáveis e outros diminuem. Por exemplo, o sistema imune inato (formado por macrófagos, neutrófilos e outros) normalmente fica inalterado. Mas, há decréscimos no sistema imune adaptativo. Ou seja, observa-se quantidade reduzida dos “anti-corpos” adquiridos durante nossa vida (através de vacinas ou outras formas). Especialmente, nas respostas imunológicas reguladas pelos linfócitos T.

Na prática, isso significa que, quando envelhecemos, ficamos mais susceptíveis a infecções, neoplasias (câncer) e doenças cardiovasculares.

No entanto, outros fatores psicológicos e endócrinos (isto é, níveis hormonais) alteram o sistema imunológico. Logo, a imunossenescência também é influenciada por nível de estresse, qualidade do sono, etc. Isto explica em parte a heterogeneidade das doenças associadas ao envelhecimento.

Existem estudos que associam o envelhecimento à sobrecarga emocional. Mesmo sendo saudáveis, geralmente os idosos são mais estressados, ansiosos e deprimidos que adultos jovens. Dentre os fatores que explicam este fato, estão a perda da capacidade laboral (aposentadoria ou outro fator que obriga o idoso a parar de trabalhar ou a mudar de profissão), problemas para realizar trabalhos domésticos, redução de libido e disfunções sexuais, perda de pessoas queridas e exclusão social. O estresse é um fator que reconhecidamente afeta o sistema imunológico em qualquer idade.

Além disso, o envelhecimento também traz alterações do sistema endócrino. Observa-se que idosos apresentam menor produção de alguns hormônios (como testosteronas, progesterona, hormônio do crescimento, DHEA, etc). Ao mesmo tempo, há um aumento significativo de produção de cortisol salivar, que desempenha um papel relevante no metabolismo do sistema imunológico.

Desta maneira, até o momento presente, entende-se que a imunossenescência está intimamente relacionada a estes 2 fatores. Em outra ocasião, pretendemos desenvolver melhor este tema.

 

Fonte: Tratado de Geriatria e Gerontologia, 2a edição, capítulo 4.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*