Música para idosos fazendo exercícios

Qual a melhor Música para acompanhar os exercícios?

em Exercícios Físicos por

O Exercício Físico combinado à música possui diversos benefícios. Pode melhorar o ânimo durante as aulas, produzir relaxamento e bem estar.

Porém o tipo de música é determinante para se obter benefícios ou causar malefícios fisiológicos.

Hoje em dia, vemos muitas pessoas fazendo atividade física em alto e bom som com seus fones de ouvido. Participando de aulas em academias de ginástica com música ambiente em ritmo acelerado e alta intensidade sonora. Alguns professores até acreditam que o volume alto pode aumentar o rendimento do aluno na sessão de treino. Porém o que a influencia é a própria música e o planejamento e pedagogia do instrutor.

Há espaços em que as salas são até adaptadas para simular uma discoteca com luzes piscando num ambiente escuro. Tudo isso pode ser atraente, empolgante. Mas devemos ter consciência de alguns riscos e tomar certos cuidados.

Saiba como escolher a melhor academia para você.

Estar exposto à música alta faz com que a freqüência cardíaca, respiração e pressão sanguínea aumentem. A situação do exercício físico já é de stress e normalmente promove esses mesmos aumentos. Se um idoso cardiopata freqüenta aulas com estas características sonoras, vai somar todas as características de alteração fisiológica do combo musica alta/ exercício físico arriscando sua saúde durante a sessão ou piorando seu quadro clínico, já que a exposição diária a este tipo de situação/ ambiente pode desenvolver ou piorar doenças crônicas.

Idosos hipertensos podem (e devem) fazer atividades físicas com cuidado.

A exposição aguda a diferentes tipos de ruído está associada com a excitação do sistema nervoso autônomo e sistema endócrino liberando hormônios de stress como catecolaminas e glicocorticóides, que alteram o equilíbrio do organismo. O efeito crônico pode aumentar os riscos de doenças cardiovasculares, dislipidemia, diabetes, além de problemas irreversíveis de audição.

Um idoso, já predispõe a possuir alterações arteriais como enrijecimento dos vasos, calcificações, dificuldade de fluxo sanguíneo. Se ele for hipertenso, estará correndo mais riscos de ter um infarto, isquemia ou AVC ao fazer aulas em ambiente com músicas aceleradas e em alta intensidade sonora. O risco aumenta de 7 a 17% a cada 10 decibéis aumentados.

Recomenda-se não passar de 65 decibéis em salas fechadas de academia. Ou ajustar o volume de modo que não ultrapasse a fala do professor (sem microfone) ou o dialogo entre as pessoas próximas. Utilizar fones seguros (com selo do Inmetro) e aconselhar o idoso, hipertenso ou não, a ouvir musicas lentas e suaves no fim da sessão para relaxamento. Isso melhora das condições de saúde cardiovascular, respiração, ansiedade, equilíbrio. Se desejar uma música mais acelerada durante a sessão de exercício físico, que seja em volume adequado.

 

1 Comment

  1. Gostei da materia sobre o direito do idoso acima de 80 anos. Um dia vendo as filas disse qvteriam qccriarv filas com idades. Agora os bancos terão a fazer isso

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© Copyright 2017 - Idosos.com.br - Portal de notícias para pessoas acima de 60 anos.
Ir para Topo