terceira idade portadores de parkinson

A Nutrição Pode Ajudar os Portadores de Parkinson

em Nutrição/Parkinson por

Os portadores de Parkinson experimentam sintomas motores como bradicinesia, rigidez, tremor de repouso e instabilidade postural e outros sintomas não motores como disfunção autônoma, alteração de humor, déficits cognitivo, diminuição de memória, dor, distúrbio gastrointestinais, perda da capacidade olfativa, psicose e distúrbios do sono.

A doença de Parkinson (DP) é uma doença neurodegenerativa crônica e progressiva que causa comprometimento dos movimentos motores, resultando na perda seletiva dos neurônios dopaminérgicos.

Existem vários nutrientes, vitaminas e minerais que podem prevenir e melhorar os sintomas dos portadores de Parkinson.

Esses nutrientes são:

  • Antioxidantes

Os antioxidantes tem sido muito utilizado no intuito de reduzir os efeitos danosos do processo de estresse oxidativo que os pacientes normalmente apresentam. Os principais nutrientes  antioxidantes são:  vitamina E, flavonoide quercetina, resveratrol, curcumina. Você encontra esses antioxidantes nos seguintes alimentos:

  1. Vitamina E: óleo de soja, óleo de milho, óleo de girassol, azeite de oliva, nozes, amêndoas, castanha do Pará, semente de girassol, gérmen de trigo, grãos integrais.
  2. Quercetina: cebola, alho, maçã e frutas vermelhas.
  3. Resveratrol: vinho tinto, suco de uva integral, cacau, frutas vermelhas.
  4. Curcumina: Cúrcuma ou açafrão da terra
  • Ácido lipóico e carnitina

Tem efeito antioxidante também. Como alimento que contém o ácido lipóico: brócolis, espinafre, ervilha, levedo de cerveja e carnes.

  • Vitaminas do complexo B

Tem apresentado  melhora na capacidade motora e cognitiva dos portadores de Parkinson. Como alimentos ricos em complexo B temos: levedura de cerveja, abacate, amendoim, castanhas, vegetais verdes escuros, castanha do Pará, feijão, cereais integrais, gema do ovo.

  • Minerais

A suplementação de selênio mostrou ter efeito benéfico no aumento das defesas antioxidantes. E como fonte alimentar temos as castanhas, principalmente a castanha do Pará.

  • Creatina

A creatina é um aminoácido presente nas proteínas de origem animal como carne bovina, peixe, frango, porco e ovo. Ela ajuda na proteção contra a perda de neurônios.

  • Coenzima Q10

A coenzima Q10 apresenta proteção extra contra o surgimento da doença como prática preventiva e também  na redução dos sintomas da doença, além da melhora significativa no desempenho cognitivo. Como fontes alimentares temos: carne bovina, frango, peixe, nozes, pistache, brócolis, espinafre, óleo de gergelim, feijão azuki.

  • Chá verde (Camellia sinensis)

O consumo regular de chá verde foi correlacionado positivamente com uma menor incidência de disfunção cognitiva e diminuição do risco de desenvolver DP.

  • Mudança do padrão alimentar

Estudos sugerem que a carne vermelha e produtos de origem animal apresentam efeitos maléficos para os indivíduos portadores de Parkinson. Isso se deve provavelmente pelo acúmulo de produtos tóxicos, gorduras saturadas. Alguns estudos sugerem que dietas vegetarianas restritas seriam benéficas para DP.

  • Cafeína

Previne o aparecimento da DP, pois há uma melhora na proteção de neurônios contra substâncias tóxicas. Como fonte, basta um cafezinho no dia…

  • Sulforafanos

Os sulforafanos são encontrados em vegetais crucíferos como brócolis, couve-flor, couve de Bruxelas, entre outros. Sua principal contribuição é no aumento das enzimas antioxidantes.

  • Ômega-3

O papel do ômega-3 está relacionado a um efeito de modular as atividades dos neurônios dopaminérgicos remanescentes na DP, sendo capaz de aumentar os níveis de dopamina no cérebro. Como fonte de ômega-3 temos: sardinha, atum, salmão, chia e linhaça.

  • Fitoterápico Mucuna pruriens

As sementes de Mucuna ou feijão aveludado, feijão de mar ou atmagupta contêm uma substancia, a L-dopa. A L-dopa é muito utilizada para o tratamento da DP. A utilização de Mucuna diariamente pode melhorar sintomas motores nos pacientes.

Dessa maneira, uma nutrição adequada pode influenciar no tratamento e nos sintomas dos pacientes com DP. Ou seja,  uma boa conduta alimentar pode melhorar ou prejudicar os sintomas da doença. Por isso, é importante que se faça o acompanhamento nutricional dos portadores de Parkinson, visando uma manutenção do estado nutricional e do bem estar.

 

Referências bibliográficas:

  • Moritz, B., Manosso, L. M.; Nutrição clínica funcional: Neurologia – São Paulo: Valéria Paschoal Editora Ltda, 2013.
  • Fintelmann, V.Manual de Fitoterapia, Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2014.

2 Comments

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© Copyright 2017 - Idosos.com.br - Portal de notícias para pessoas acima de 60 anos.
Ir para Topo