Saúde Social do Cuidador de Idosos

Estresse e Saúde Social da família com Doença Degenerativa

em Demências e Alzheimer/Saúde por

Segundo a OMS, Saúde é um completo estado de bem estar físico, mental e social e não simplesmente ausência de doença.

Isto significa que você pode ser diabético ou hipertenso ou possuir qualquer outro tipo de doença, mas sentir-se bem. Claro que é necessário controlar bem suas doenças, mas o importante é que mesmo com elas você sente bem estar.

Esta definição nos permite dividir o conceito de saúde física, mental e social.

O conceito de saúde social é o menos conhecido. Mas dentre os três conceitos citados acima, é um dos mais importantes. Saúde Social influencia em grande parte a mental e a física.

O que significa ter saúde social? É estar bem consigo mesmo, com a família, com os colegas de trabalho e com seus amigos.

A doença de Alzheimer é uma doença da família. Compromete todos os seus membros. Assim como a doença de Parkinson, é uma doença que deteriora a Saúde Social da família com maior envolvimento de quem cuida diretamente. O estresse do cuidador é tão intenso que podem surgir depressão e ansiedade, comprometendo a Saúde Mental. Também pode haver manifestações físicas como aumentar a pressão e compulsão por comida.

Por isso, é muito importante que o cuidador esteja socialmente saudável.

Quero ilustrar esse sistema de saúde através de 2 exemplos.

Imagine Laura, uma senhora de 75 anos que procura o médico porque está sentindo dores de cabeça, tonturas ocasionais, palpitações e cansaço aos esforços. Está desanimada, sem disposição para os afazeres, com muita angustia e, às vezes, com tristeza, melancolia e vontade de chorar. Refere também tremores e mal estar que não consegue caracterizar (contar realmente seus sintomas). Pelo que conversamos e através do seu exame físico e exames complementares (eletrocardiograma, glicemia, ureia, creatinina, etc) constatamos uma hipertensão arterial leve para moderada, um sobrepeso de 15 quilos, pré-diabetes e aumento do colesterol.

Podemos simplesmente medicá-la de acordo com os achados da Saúde Física. Mas, entender porque está com todos esses problemas é altamente relevante para o sucesso do tratamento.

Verificamos que Laura também apresenta depressão. Ou seja, sua Saúde Mental não está bem. Conversando com ela, descobrimos que seu marido é aposentado e depressivo. Passa boa parte do dia na cama e não participa das decisões em família. Tem três filhos, sendo um homem que é caminhoneiro. Tem seu próprio caminhão que comprou com financiamento do banco. Atualmente está com 20 prestações atrasadas. A casa da mãe (Laura) ficou como garantia do empréstimo. O que ganha atualmente mal dá para pagar as prestações e tentou devolver o caminhão para o banco, mas este não aceita a devolução. Casou-se 2 vezes. Do primeiro casamento, tem uma filha de 17 anos para quem ainda paga pensão. Está num segundo casamento e tem uma filha de 8 anos que mora com Laura.

Uma das filhas trabalhava em análise de sistemas e, repentinamente, desenvolveu um surto psicótico. Precisou ficar internada em um hospital psiquiátrico por 3 meses. Quando recebeu alta não conseguiu mais trabalhar em função dos medicamentos que continua a tomar. É casada e construiu sua casa no terreno da casa de Laura. Seu marido tinha um pequeno mercado que acabou fechando porque só estava tendo prejuízo. No momento, está desempregado. A outra filha não está trabalhando porque o marido teve um acidente vascular encefálico e ficou com o lado direito paralisado. Agora ela cuida dele. O marido protege o filho homem e não dá muita importância para as mulheres. Inclusive doa dinheiro para esse filho e não faz o mesmo para as filhas. Como mãe, Laura recebe toda a carga emocional dos filhos com seus problemas.

Pois bem, Laura perdeu a saúde social. Está permanentemente envolvida com todas as nuances da casa. Como enfrentamento, acaba comendo compulsivamente. Isto leva ao ganho de peso, aumento da pressão, elevação dos níveis séricos de colesterol e triglicérides gerando sintomas que partem da perda da Saúde Social. Esta situação também pode provocar sintomas mentais e a maior tendência é para depressão e ansiedade.

Essas situações vão gerar queixas físicas que, na maioria das vezes, são sintomas psicossomáticos. É nesse momento que procurou assistência médica e constataram-se todas as doenças mencionadas e vários sintomas sem correspondência física.

Podemos dizer que sua saúde social mexeu na saúde mental e que piorou sua saúde física.

Que tratamento o médico pode oferecer além dos medicamentosos para hipertensão, dislipidemia (colesterol alto) e depressão? Não podemos emprestar dinheiro para quitar a dívida do caminhão. Mas podemos orientar a paciente para um tratamento não medicamentoso. Sugeri que, de segunda a sábado, tirasse para si 3 horas do dia. Nestes momentos, ela conseguiu ajudar as preparações de leitura para as missas, fazer hidroginástica 2 vezes por semana, participar das oficinas de Santa Rita e outras atividades que preenchem essas 3 horas. Diz que foi uma das melhores coisas que fez. Enquanto está nestas atividades, esquece de todos os seus problemas. Passou a dormir melhor a noite, controlou sua compulsão por comida, perdeu peso e consequentemente, melhorou sua glicemia e seu colesterol, devolvendo a ela uma sensação de bem estar.

A perda de saúde física também pode mexer com a mental e a social. Por exemplo: João, um  homem de 60 anos que começa uma osteoartrite de joelho. A doença progressivamente vai o limitando devido às dores intensas que surgem com o andar e melhoram com o repouso. João começa não querer sair de casa por não poder caminhar como gostaria. Deixa de frequentar excursões porque não consegue acompanhar os colegas de viagem. Não sai para compras de supermercados, para ir a casa dos filhos ver os netos, etc. A partir dessa incapacidade funcional surge a tendência ao isolamento social e à depressão. Uma vez instalado esse quadro, os familiares a sua volta (esposa e filhos) perdem saúde social. Portanto, é fundamental estar bem com a família, sentir-se feliz, ter auto-estima e cuidar da saúde física para que as saúdes fiquem harmonicamente conectados (física, mental e social).

Lembrou de algúem com esse texto? Compartilhe!

 

1 Comment

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© Copyright 2017 - Idosos.com.br - Portal de notícias para pessoas acima de 60 anos.
Ir para Topo