Estímulo Intelectual para o idoso

Como usar Estímulo Intelectual para retardar o avanço da DA

em Demências e Alzheimer por

Na semana passada, falamos sobre estímulo intelectual e convívio social como fatores importantes de prevenção da Doença de Alzheimer.

Pois bem: estes fatores também são importantes para retardar a evolução da doença. Dependendo da fase em que ela se encontra, principalmente nas iniciais, podemos estimular a memória do paciente.

Falamos em desacelerar a progressão da doença já que se trata de uma doença neurodegenerativa e progressiva.

Pensando na Intelectualidade, vamos dar algumas sugestões de estímulo intelectual. Um método simples, mas que exige tempo e paciência dos familiares, é assistir a um vídeo na televisão e depois de terminado, questionar.

Pergunte sobre:

  • a história, isto é, se foi um filme de suspense, comédia, drama, terror, documentário, etc.
  • os personagens dos atores (quem era quem?), se lembra do nome dos atores (muitos deles conhecidos de vários anos antes da doença).
  • o que mais lhe chamou a atenção?

Caso o paciente não saiba dizer nada sobre o que viu, antes de repetir a apresentação, devemos solicitar mais atenção do doente.

Outro modo é deixar o filme correr por 20 a 30 minutos, interrompê-lo e fazer as mesmas perguntas. Caso não se obtenha respostas assertivas, repetir novamente os 20 a 30 minutos até que se verifique que houve entendimento sobre o que ele estava assistindo. Continuar interrompendo com intervalos e questionamentos até o final. Devemos escolher os filmes de acordo com o interesse do paciente antes da doença. Os vídeos devem ser assistidos em casa, 2 ou 3 dias.

O mesmo deve ser feito com pequenos textos. O familiar deve selecionar o que o paciente vai ler. Terminada a leitura, deve pedir para que explique ou fale o que entendeu. Caso não entenda nada do que leu, podemos repetir essa leitura 3 a 4 vezes, sempre solicitando que preste atenção e perguntando o que reteve do texto.

Sabemos que este método exige paciência e dedicação. E também, só é possível em fases iniciais (talvez moderada) da doença. Mas, enquanto a ciência não descobre a cura para esta e outras doenças neuro-degenerativas, podemos usar nosso carinho, atenção e paciência para tentar desacelerar a doença.

Gostou? Compartilhe!

1 Comment

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

© Copyright 2017 - Idosos.com.br - Portal de notícias para pessoas acima de 60 anos.
Ir para Topo